Logística reversa: saiba o que é e como aplicar em sua empresa

Logistica Reversa

A população urbana em diferentes cidades é cada vez mais crescente. E, da mesma forma que continuamos observando o número de pessoas crescer, cresce também a quantidade de lixo e resíduos produzidos por elas. Afinal, o consumo está atrelado à condição humana. E é aí que entra a importância da logística reversa por parte das empresas inseridas nestes cenários.

Contudo, antes de falarmos sobre a logística reversa em si, é preciso conceituar a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Também chamada pela sigla PNRS, esta política visa reduzir os impactos ambientais causados por empresas e seus produtos.

Ao obrigar empresas a retornarem e aceitarem o retorno de materiais produzidos por elas e que foram descartados, a Política Nacional de Resíduos Sólidos ajuda na preservação do meio ambiente e na qualidade de vida de quem mora nos grandes centros urbanos.

E é através da logística reversa que as empresas podem (na verdade, devem) participar do processo. Se você ainda não sabe muito bem o que é a logística reversa ou como aplicá-la na rotina do seu empreendimento, este texto foi feito para você! Iremos explicar o que ela é, como funciona e maneiras de adotá-la. Faça a leitura do texto abaixo e saiba mais!

O que é logística reversa?

A lei que diz respeito à Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que citamos acima, define o conceito de logística reversa como:

“Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

Em outras palavras, a logística reversa é a ação de recolher produtos já usados e que não podem ser descartados na natureza, seja por apresentarem perigos às pessoas ou ao meio ambiente. Vale destacar que ela é uma obrigação das empresas: fabricantes, comerciantes e distribuidores.

É fácil entender por que ela leva esse nome: enquanto a logística comum tem como função melhorar os processos de produção e entrega de produtos tanto para consumidores quanto para empresas, a logística reversa procura facilitar o meio de recolhimento destes produtos já utilizados.

Alguns dos produtos que exigem a execução de uma logística reversa, bem como descarte ou reaproveitamento adequados, são pneus, pilhas e baterias, diferentes tipos de lâmpadas, agrotóxicos e suas embalagens e eletroeletrônicos.

É por isso que é tão comum vermos por aí campanhas de coleta de diversas empresas que trabalham com estes tipos de produtos. Elas são obrigadas, por lei, a coletarem os produtos que possam vir a ser prejudiciais, e uma das maneiras de facilitar o trabalho é conscientizar a população e contar com sua ajuda. Veja em seguida algumas dicas para pôr a logística reversa em prática:

Como aplicar em sua empresa?

Existem, basicamente, três passos que podem ser adotados para fazer com que a logística reversa funcione da melhor forma possível.

Comunicação com os consumidores

Lembra que falamos brevemente sobre as campanhas de coleta acima? Elas são o primeiro passo para que empresas consigam adotar essa logística com maior facilidade. E isso pode ser feito de diferentes formas. Você pode:

Investir em peças educativas nos pontos de venda;
Instruir os vendedores para que eles incentivem o consumidor final;
Comunicar-se com os consumidores finais por diferentes meios;
Instituir pontos únicos de coleta.

Novas formas de recolhimento e reutilização

E que tal, ao invés de recolher seus produtos, firmar parcerias diretas para a reutilização deles? Tome como exemplo as garrafas PET. Se você criar pontos de coleta em escolas e creches para incentivar projetos artísticos e sustentáveis, por exemplo, o material será mais bem aproveitado e, além disso, a imagem da empresa ganhará muito.

Outro exemplo que pode ser citado aqui são os pneus. Ao invés de se incomodar com a necessidade de realizar rotas de coleta, por que não conversar com um projeto que utilizará o material para fazer hortas? Assim como no caso anterior, basta você ajudar com a doação de um ponto de coleta e, é claro, com a comunicação com os clientes.

Rota de coleta unida à rota de entrega

Caso você ainda opte por fazer as coletas por conta própria, uma boa solução é encaixá-las nas entregas. Quando seus caminhões estiverem voltando para os depósitos, por que não aproveitar a viagem e passar pelos pontos de coleta instituídos com os vendedores? Isso economiza tempo, combustível e, consequentemente, dinheiro.

Planejamento

Já analisou as alternativas e escolheu o que fazer para implementar e também melhorar os processos de logística reversa da sua empresa? Ótimo! Agora é hora de colocar em prática. Toda ação começa com um planejamento, e aqui a situação não é diferente. É necessário avaliar minuciosamente tudo o que será feito e, ainda mais importante, como será feito.

Felizmente, para ajudar a fazer o planejamento, o Ministério do Meio Ambiente disponibiliza gratuitamente um material em PDF. Trata-se de um manual de orientação para planos de gestão de resíduos sólidos. Neste documento, estão presentes legislações, orientações e roteiros. Você pode acessá-lo neste link.

Se você gostou deste texto e quer receber mais conteúdos como este, acompanhe nossas redes sociais! A Sindi Investimentos está no Facebook, Instagram e LinkedIn.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *